VENTO SUDOESTE

 
Mais calada do que de costume, Paula estava mais atenta aos efeitos do vento sudoeste, que já começava alterar a rotina da praia, do que à conversa do grupo. Ao longe alguns pescadores olhavam para o mar, recolhiam as redes e cobriam os barcos com lonas. Esse tipo de vento tinha efeitos imprevisíveis naquela região, desde um nada, um pequeno vento que vem e vai embora como chegou, até uma chuva forte, com ventos fortes e ressaca.

A preocupação dela não era menor do que a dos outros, pelo contrário, mas ela se sentia perdida, principalmente por se sentir o olho desse furacão, por tudo ter acontecido ao redor dela, e em alguns casos organizado por ela, como foi a festa do verão de 95 para me integrar ao grupo, e depois a saída estratégica do Thomas para que ficássemos discutindo sobre o livro sem a presença dele.

Roberta não se sentia muito diferente. Se Thomas era uma espécie de elo unindo a vida dessas pessoas ela era o combustível que permitia os seus delírios. Além de estar por trás de toda a produção de Tristessa na Web, o megaprojeto em realidade virtual, chamado de Vida por Fernanda, fora produzido por ela com dinheiro de investidores estrangeiros. Esteve com ele nesse livro desde o tempo em que ele se chamava “A Solidão dos Sobreviventes” e seria impresso em papel. Tudo passava por ela, tudo era discutido com ela. Os dois viviam em um mundo de discussões, mas era o que os movia para os projetos, um não existia sem o outro.

Joana também tinha um carinho muito especial com Thomas, pois além de terem vivido um grande amor, tiveram dois filhos que também estavam desconsolados com a perda estranha do pai. A separação já havia sido difícil de superar, mas este desaparecimento imprevisto era algo com o qual ela não conseguia lidar, lhe faltavam forças.

Fernanda era uma incógnita, pois apesar deles terem se encontrado poucas vezes ao longo dos anos, apesar de nunca ter havido nunca um relacionamento contínuo e longo entre os dois, ela mostrava ter uma ligação mais forte com ele do que todas as outras juntas, a intimidade que ela demonstrava ter com o “eu” mais profundo de Thomas nenhuma outra daquelas pessoas passava perto. Conheceram-se na infância, e na passagem para a adolescência nasceu entre eles uma espécie de ligação espiritual maior do que qualquer envolvimento pessoal. Às vezes eles diziam que haviam se encontrado em outras vidas, Thomas falava menos sobre isso, ela sempre explicitava isso, quando as outras pessoas provocavam.

Alex era amigo de Thomas desde a infância, e houve uma época em que eles brincavam juntos com a Fernanda, que era vizinha deles. Era um amigo de todas as horas, durante todos os anos que se passaram. Estudaram juntos, viajavam juntos, Alex funcionava muito como um conselheiro, tentando muitas vezes segurar a onda do amigo, cujos sonhos não tinham limites. Foram inúmeras as vezes em que os dois discutiram sobre o sonho do livro e Alex tentava convencê-lo a abandonar a ideia de ser escritor. “Literatura é para gente triste, sem tristeza não há literatura”, costumava dizer para o amigo.

E Marcela estava desesperada, simplesmente desesperada. Dez anos desesperada. Sozinha em São Paulo – os pais moram no sul do país -, mais jovem e com menor estrutura do que as outras para enfrentar a situação, não sabia o que fazer. A paixão por Thomas nasceu criança e depois se fez adulta, aquela menina de olhos bonitos e seios pequenos tornou-se gente grande e depositou toda a sua vida no amor a Thomas.

Eu era o que tinha menos laços com o ele, mas no período entre a primeira festa, no verão de 95, e a partida dele para Paris foram alguns anos de contato contínuo, discussão de textos, layout de páginas, interface, interatividade, nos entendemos muito bem e viramos grandes amigos.

O vento sudoeste continuava a passar pela praia e por nossas vidas, levantava um bocado de areia e varava os nossos corpos cheios de tristeza, mas a sua movimentação ajudou também a dissipar a agitação da conversa e embaçar um pouco a porta espelhada que ainda estava fincada firme embaixo da tenda.

Vento sudoeste

 

Vultos na contraluz Nigger bay Plano de Viagem Home