Verão de 1995

VERÃO DE 1995 “Irmão Harry, convido‐o para uma pequena diversão. Somente para loucos. A entrada custa a razão. Está disposto?” Herman Hesse, O Lobo da Estepe Era uma noite quente do verão de 1995. O vento que vinha do mar atravessava o ambiente fazendo flutuar as...

read more

Liturgia

LITURGIA   “O mundo digital é limitado e monótono, apesar da aparente abundância de escolhas que ele nos oferece.” Thomas repete a frase para si mesmo diversas vezes, olha pela janela e vê que lá fora cai uma chuva muito forte. Ao seu lado os pingos escorrem...

read more

A Entrega do CD

A ENTREGA DO CD   Durante todo o tempo em que olhamos para a capa e o prefácio do livro, o silêncio foi absoluto. Pensei mesmo em afivelar o meu cinto de segurança antes de continuar a conversa, mas não houve tempo, pois Thomas não me deu trégua. Após dissertar...

read more

Caminho

CAMINHO   Terminada a liturgia da preparação para a grande noite, Thomas parte para o local da exibição em seu próprio carro. Coloca um disco no CD player e desce a Rua Augusta, a mesma da noite onde tudo começou no livro anterior. Era como se a história se...

read more

Show

SHOW  Quando chegou ao local o evento já tinha iniciado, e para se misturar com o povo Thomas entrou pelo mesmo lugar dos convidados não especiais. Ao entrar no recinto as pessoas eram totalmente orientadas por setas, mas acabavam envolvidos por elas e se...

read more

A Mesa da Mandala

A MESA DA MANDALA   Quando descíamos do deck Roberta estava no celular, fez sinal para Thomas esperar, gesticulou que precisava conversar. Ele manda beijos, gesticula de volta informando que falará com ela no dia seguinte, e vai embora. Quando me aproximo dela...

read more

Great Balls

GREAT BALLS   Teto baixo, cabeça alta, astral mais alto ainda pelo sucesso do espetáculo, Thomas entra no Great Balls acompanhado de Fernanda. O Balls não é apenas um simples Cyber Café, faz parte do comportamento e da vida de um grande grupo de amigos. Thomas...

read more

Dimensão do Sonho

DIMENSÃO DO SONHO     Sentado em um canto do Great Balls, copo de uísque vazio, Alex deixa-se envelhecer, lentamente. Sozinho, com os olhos voltados para a dimensão do sonho que aquele ambiente resgata, ele chama o garçom, quando chega Thomas. “E aí,...

read more

Manhã Fresca, Úmida…

MANHÃ FRESCA, ÚMIDA, RECÉM NASCIDA   Manhã fresca, úmida, recém-nascida. Abro a janela do quarto e contemplo a grama do jardim ainda molhada, apesar do sol explodindo nos girassóis. Parece uma das manhãs da criação, tão grande a vibração da vida nos seres mais...

read more

Devil or Angel ?

DEVIL OR ANGEL?   Acordo agora, às onze horas da manhã, fodido. Lá fora chove, desgraçadamente. Ainda estou com o gosto da cerveja de ontem na boca. Coloco um antigo CD do "Mamas & The Papas" e aperto o power do amplificador. Os leds iluminam a manhã....

read more

A Surpresa de Alex

A SURPRESA DE ALEX   A próxima surpresa da noite ficou por conta de Alex. Surpreendendo a todos ele tirou uma carta do bolso, colocou sobre a mesa, e se apresentou como o próximo a falar. “De onde você tirou essa carta?”, perguntou Paula surpresa. “Caiu do bolso...

read more

Quase Imagem

QUASE IMAGEM “O público e os empresários adoraram o evento, Roberta, eu senti.” “O seu problema é que você delira o tempo todo.” “E você?” pergunta Thomas ansiosamente, apesar de já imaginar a opinião dela. “Gostou?” “Uma merda.” “Você não concorda, pelo menos, que eu...

read more

Imagem

IMAGEM   O apartamento em que Roberta mora, na Vila Madalena, surpreende Thomas. Decorado com móveis antigos e uma infinidade de objetos em cobre, lembra os cenários que David Hamilton usava para fotografar as suas primeiras ninfetas. O living imenso, com mais de...

read more

Resposta

RESPOSTA   Já pensei, Roberta, mas não estou de acordo, como pode perceber. Você é uma mulher maravilhosa, por isso não pode ficar de fora desta paranóia toda, principalmente agora. Não me queira mal. Mais para a frente você vai entender, principalmente no final...

read more

Arquivos Desaparecidos

ARQUIVOS DESAPARECIDOS   Joana aproveita a deixa de Roberta e tira a carta seguinte. “Thomas vai ao encontro de Marcela em seu apartamento. Ela está preocupada com um texto que havia lido, cuja cena se passava em um lugar onde havia um cemitério de automóveis....

read more

Corpo de Marcela 2

CORPO DE MARCELA   Ainda no elevador Thomas liga para Marcela, mas ninguém atende. Na dúvida, vai para sua casa. Algum tempo depois do episódio meio surrealista do motel um dia eles finalmente se entenderam. Ela saiu de casa, separou-se do namorado, e os dois...

read more

Promessa Cumprida

PROMESSA CUMPRIDA   Coloco você na história conforme prometi, Marcela, e agora em definitivo. Promessa cumprida, apesar de saber desde já que me arrependerei. A paixão que sinto por você elimina o distanciamento que eu precisaria para colocar na rede a doidice do...

read more

Os Olhos de Marcela

OS OLHOS DE MARCELA   A primeira coisa que enxerguei na classe, no primeiro dia de aula, foram os olhos e os peitos pequenos da Marcela. Eu havia decidido reativar o francês para aproveitar melhor uma viagem que faria a Paris, e logo no primeiro dia, depois de...

read more

Sem Mistério Algum

SEM MISTÉRIO ALGUM   No sábado em que marquei as primeiras fotos com a Marcela o dia surgiu triste e cinzento, e quando comecei a tirar o carro da garagem começou a chover. Com uma desculpa estúpida qualquer saí de casa dizendo a Joana que iria voltar apenas no...

read more

Vivendo em Mundos…

VIVENDO EM MUNDOS PARALELOS   Paula tira a próxima carta. “Thomas se questiona sobre o que está escrevendo e sobre o como está escrevendo. Em linha reta, do começo para o fim, afinal tudo tem que ter um começo e um fim. Mas existe mesmo um começo e um fim? Ou...

read more

Em Linha Reta

EM LINHA RETA   Mal começo a colocar Tristessa na rede e percebo a tentação de narrar a minha história cronologicamente, em linha reta, do começo para o fim, o que não faz sentido, porque em nossa cabeça o tempo não se organiza dessa forma. Estamos sempre...

read more

Momento

MOMENTO   Deixe que se desprenda agora a seda que te acaricia o corpo, Joana, e vem nua para mim, nua e orgulhosa, como mulher que já se sabe desejada. Vem nua para mim, sem pudor, e esfrega os teus seios em minha boca, gruda o teu corpo suado no meu, porque...

read more

Teu Corpo Prometido…

TEU CORPO PROMETIDO AO MEU   Mesmo em um tempo muito anterior à tua chegada, quando havia apenas um corpo prometido ao meu, em algum canto eu já sabia você à minha espera. Nos teus lábios eu sabia a palavra que me reconstituiria de tantas mortes passadas, nas...

read more

Com os Bolsos Vazios

COM OS BOLSOS VAZIOS   Para onde terá fugido a minha alma nesta manhã cheia de sol e ausência? Certamente para uma solidão dos campos sem fim, em busca da tua, em algum canto onde as flores estejam crescendo, e se elas se encontraram devem estar se amando sobre a...

read more

Nua e Orgulhosa…

NUA E ORGULHOSA COMO MULHER QUE...   Deixe que se desprenda agora a seda que te acaricia o corpo, Joana, e vem nua para mim, nua e orgulhosa, como mulher que já se sabe desejada. Vem nua para mim, sem pudor, e esfrega os teus seios em minha boca, gruda o teu...

read more

Corpos Perplexos

CORPOS PERPLEXOS   Num ponto qualquer da viagem os nossos corpos pareceram perder todo o mistério e a minha boca parou bruscamente em teu sexo. Toda uma história se perdeu naquela não chegada e tudo que havíamos vivido se perdeu na confusão dos nossos corpos...

read more

Brincando em Praias…

BRINCANDO EM PRAIAS DISTANTES Quando naquela tarde vi a tua imagem refletida no espelho, sabia que apenas estava sendo adiada a loucura do nosso reencontro. Quando à noite as nossas carnes se tocaram novamente, após tanto tempo, foi como se estivéssemos nos amando...

read more

Os Ponteiros

OS PONTEIROS Quando na tua meia-noite os ponteiros se beijarem, Joana, lembre-se da alegria daqueles dias. Esqueça as palavras que sempre fazem morrer os sonhos e as mãos sem sentido que sempre apontam o fim dos caminhos. Lembre apenas as manhãs que nasceram entre as...

read more

Bolero de Ravel

BOLERO DE RAVEL Depois de assistir a uma cansativa e apocalíptica palestra de um fotógrafo alemão que discursava sobre o fim da fotografia analógica, saí do Museu da Imagem e do Som sob um verdadeiro dilúvio. Debaixo de relâmpagos, ventos e trovões, subi a Rua Augusta...

read more

Janelas

JANELAS Fechadas as portas e janelas da nossa casa, atravesso agora a moldura, como os outros. Do outro lado, frenéticos, as suas caras refletem em vitrais barrocos. Penetro a grande festa pelos lados, como quem entra em um cenário. E o meu cenário é cada vez mais o...

read more

Zen, Tranquila e …

ZEN, TRANQUILA E COERENTE   Apesar do peso sobre a discussão gerada pelo assunto anterior, Fernanda tira a próxima carta. “Tomara que este assunto seja mais leve”. “Thomas encontra Fernanda um pouco antes das seis da manhã no Café da Natasha. Ela entrega a ele um...

read more

Natasha´s Internet…

NATASHA´S INTERNET SMARTDRUGS CAFE   Um pouco antes das seis chego no Internet Café de Natasha. O ambiente é high-tech, decorado em tons escuros. Cores azul metálicas se misturam com escalas de cinza, tudo mais ou menos nos tons e design usados nos browsers da...

read more

Augusta

AUGUSTA   Fernanda existiu em Thomas desde a infância, e de uma maneira mais intensa a partir da adolescência, quando uma noite se encontraram em um casarão na Serra da Cantareira. Naqueles dias a cena final da praia não estava sequer prometida, o vulto de azul...

read more

Ensaio

ENSAIO   Sábado pela manhã, às dez horas em ponto, ele já está na porta do apartamento de Fernanda. Ela abre a porta ainda de pijama, bocejando. “Você chegou cedo.” “Desculpe-me, não sabia que você iria dormir até tarde.” “Tudo bem, entre, vou dar um jeito na...

read more

Realidade e Fantasia

REALIDADE E FANTASIA   Em uma tarde triste do último outono algumas centenas de slides são queimados, todos da mulher amada, que partiu sem data marcada para regresso. De repente, sem qualquer explicação, ela novamente, agora num quarto escuro, sem portas e sem...

read more

Roberta Tira a Sua Carta

ROBERTA TIRA A SUA CARTA   Apenas Roberta e Fred não tinham tirado nenhuma carta ainda e ela se apresenta, mas antes dá uma embaralhada para provocar. “Quando Thomas desembarca em Veneza abre o envelope que Fernanda havia lhe dado em São Paulo e tem a grata...

read more

Exposicione Fotografica

EXPOSIZIONE FOTOGRAFICA DI THOMAS G. MARASCO   Em lugares como Veneza uma exposição fotográfica não é necessariamente um encontro de arte, mas de turistas, assim como a própria cidade, apesar da mais pura arte que se encontra em todos os cantos. Na maioria das...

read more

Uma Advertência e ….

UMA ADVERTÊNCIA E UM AVISO DE MORTE   As gôndolas descem agora o Gran Canale, rumo ao poente. O pôr-do-sol é uma advertência e um aviso de morte que nunca enxergamos. Somos sempre felizes no último lugar onde estivemos, ou no próximo para onde vamos – só agora...

read more

O Determinismo do…

O DETERMINISMO DO DESENCONTRO   Um mês após o ensaio, sem notícias de Fernanda, Thomas não aguenta e vai ao apartamento dela, com os cromos debaixo do braço. “Não mora mais aqui, não senhor. Mudou-se para o estrangeiro”, disse o zelador. Thomas sempre acreditou...

read more

Despedida

DESPEDIDA   Depois do ensaio fotográfico Fernanda sumiu, e os dois apenas se encontraram novamente após alguns anos, e novamente cresceu entre eles uma atração muito forte, uma afinidade muito grande, como da primeira vez. Quase todas as noites ele ia esperá-la...

read more

A Carta do Passenger

A CARTA DO PASSENGER   Sabendo que só eu não tinha tirado ainda nenhuma carta, apesar de ter estado muito atento a tudo durante todo o tempo, resolvi também dar uma embaralhada antes de escolher. “Thomas chega a Paris e antes de ir para a casa de Fernanda decide...

read more

Tristessa

TRISTESSA   Na primeira vez que estive em Paris foram muitas semanas de trabalho. Eu precisava mostrar que a Paris dos anos 20 havia sido a maior badalação intelectual de todos os tempos e os caminhos para restaurar a cidade da “geração perdida” eram muitos....

read more

No Deck, a Céu Aberto

NO DECK, A CÉU ABERTO   Com o passar da noite o calor aumentou e subimos todos para o deck, num ambiente a céu aberto. O barulho das ondas quebrando na praia, o céu forrado de estrelas, e uma batida tecno chegando dos quiosques, passaram a configurar o novo...

read more

Máscaras

MÁSCARAS Um pouco antes das nove deixo o Closerie e parto para o estúdio-apartamento de Fernanda. Quando dou por mim estou em uma espécie de sótão, imenso, com uma bela vista para os telhados tristes e cinzentos de Paris. Boulevard Saint-Germain, perto dos Jardins du...

read more

A Ficção Apenas …

A FICÇÃO APENAS NÃO BASTA   Depois de Roberta perder a sua vez, tirei outra carta. Fernanda está a meu lado, bate os olhos no texto e pede ao Alex para buscar vinho. “Thomas e Fernanda encontram Alex em um bar em Paris, ela usa uma forte maquiagem e se faz passar...

read more

Puto, Traído e …

PUTO, TRAÍDO E CORNEADO   O lugar que combinamos nos encontrar não ficava muito perto e tomamos um taxi. O bar, imortalizado por alguns pintores menos conhecidos do início do século vinte, não passa agora de um boteco que vive das glórias do passado. Quando...

read more

Plasmado no Eco …

PLASMADO NO ECO DOS SEUS PASSOS   É tarde. As luzes de Paris adormecem nos braços da neblina. A última virgem deixou a Place du Tertre, desceu as escadarias do Sacré-Coeur e eu fiquei plasmado apenas no eco dos seus passos. Faltam menos de duas semanas para o ano...

read more

Apenas Algumas Coisas

APENAS ALGUMAS COISAS ACONTECERAM   Joana se adiantou para tirar a próxima carta. Leu antes o texto, em silêncio, depois balançou a cabeça num gesto que poderia significar qualquer coisa. “Thomas e Fernanda saem caminhando pela noite de Paris e cruzam com uma...

read more

Procissão de Anjos …

PROCISSÃO DE ANJOS E DEMÔNIOS   Saímos caminhando pela Rue du Faubourg Montmartre e subimos em direção ao Sacré-Coeur. “Aonde vamos?” pergunto. “Para o meu apartamento, mas antes vamos caminhar um pouco pela noite.” Logo estamos diante da sagrada basílica do...

read more

Imagens Quase Vivas

IMAGENS QUASE VIVAS   Esses fatos tão reais, apesar de tão absurdos, ainda estão completamente vivos diante dos meus olhos e me fazem sonhar na solidão deste quarto branco, observado por ventiladores. Não sei há quanto tempo estou aqui, perdi a noção das horas e...

read more

Idéia de Morte

IDEIA DE MORTE   Agora que o enterro se foi a noite ficou mais escura e as pessoas sumiram todas das ruas. Quando o último personagem desaparece do nosso alcance visual já estamos no Boulevard des Italiens, em frente ao Café de La Paix. Uma neve muito fina começa...

read more

Communiquée, …

COMMUNIQUÉE, COMMUNICATIONS, COMMUNICATIO   Olho todo o texto, tudo o que escrevi até agora – numa espécie de revisão final. Não com os olhos nas linhas, nos parágrafos, mas em todas as imagens de uma só vez para ver o que falta, o que ficou para trás, o que não...

read more

Fim da Noite, Névoa …

FIM DE NOITE, NÉVOA DA MANHÃ   O horizonte já começava a ensaiar a claridade do dia que estava por nascer, e começou a baixar um nevoeiro, comum no verão de Porto Piano. Às vezes ele acontecia no fim do dia, pouco antes do anoitecer, às vezes no fim da madrugada,...

read more

Invadindo o Nosso …

INVADINDO O NOSSO TEMPO   Retornamos cansados ao apartamento de Fernanda. Durante algum tempo permanecemos apenas deitados no chão, tentando recuperar os nossos corpos ainda molhados, misturados com terra e folhas. Lá fora a neve começa a cair novamente e pela...

read more

Os Olhos em Chamas

OS OLHOS EM CHAMAS   Enquanto espero por Roberta no Great Balls me ocorre a frase de um livro cujo nome não me vem à lembrança: “Sofre-se muito para matar um gato, soubesse-o antes e não teria começado. Os olhos foram os primeiros a ficar em chamas”. Só que em...

read more

Verão de 2012

VERÃO DE 2012   Paula e eu caminhávamos pela areia de Porto Piano nas primeiras horas da manhã. Ela havia me dito, quando acordou, que precisava embriagar-se de azul. Preparava-se para o encontro logo mais à tarde e precisava esvaziar a mente, dizia que só...

read more

Incorpóreo

INCORPÓREO   A última imagem que ficou para trás em Paris foi a de Fernanda, desvanecendo-se em um sorriso cheio de paz. Seis horas da manhã agora. Os sinos da igreja tangem roucos, e o seu repicar viaja pela avenida. Parece a última manhã da vida. A avenida da...

read more

Quem Viu Thomas …

QUEM VIU THOMAS PELA ÚLTIMA VEZ?   Na primeira versão, contada por Alex, parecia ter sido ele o último a encontrar Thomas, em Paris, no dia seguinte à partida. O encontro foi em um local combinado, um bar na Place du Tertre, e ele estava acompanhado de uma mulher...

read more

Vultos na Contraluz

VULTOS NA CONTRALUZ   Grito desesperado quando penso ter chegado ao lugar onde nasci, mas o que eu via era um grande galpão de ferro velho, um imenso cemitério de automóveis, estava tudo diferente. Houve um tempo, antes de Paris, e eu começava a lembrar, em que...

read more

Vento Sudoeste

VENTO SUDOESTE   Mais calada do que de costume, Paula estava mais atenta aos efeitos do vento sudoeste, que já começava alterar a rotina da praia, do que à conversa do grupo. Ao longe alguns pescadores olhavam para o mar, recolhiam as redes e cobriam os barcos...

read more

Nigger Bay

NIGGER BAY   A manhã estava maravilhosa. O sol já havia se levantado, saído de trás das montanhas e dourava a água agitada de Nigger Bay quando atravessei a ponte e alcancei o outro lado. Conforme o prometido, de longe os avisto. Lá estão Joana, Marcela e as...

read more

La Nebia Dell´Estate

LA NEBBIA DELL´ESTATE   Com o começo do final da tarde o vento sudoeste começou a ir embora lentamente, sem deixar estragos, e uma pequena névoa de verão começou a baixar na região. Como o vento, ela poderia tanto se tornar espessa, com visibilidade mínima, como...

read more

O Corpóreo e o Virtual

O CORPÓREO E O VIRTUAL   O vulto de azul que vinha caminhando ao lado dos dormentes da via férrea estava agora mais perto, e começava a se delinear a figura de uma mulher elegantemente vestida, roupas esvoaçantes ao vento, e andando lentamente em nossa direção....

read more

Névoa e Sonho

NÉVOA E SONHO   A névoa cobria toda a faixa de areia e formava um arco mais denso no lado do oceano, como um arco-íris sem cor em um cenário surreal, indefinido, quase opaco. Olhando para cima, parecíamos todos cobertos por um imenso branco descido do céu, e as...

read more

Apenas Vultos

APENAS VULTOS   Quando Fernanda chega traz com ela uma névoa que começa lentamente a ocupar os espaços entre as pessoas, envolvendo seus corpos de forma silenciosa e suave. “Meu nome é Fernanda, fui modelo e fotógrafa em Paris. O meu último trabalho foi a de uma...

read more

Coloco os Óculos …

COLOCO OS ÓCULOS ESCUROS E VEJO A MANHÃ VERDE   A madrugada se foi, o sol caiu sobre mim, e sou obrigado agora a mostrar ao dia as minhas mãos vazias. Recolho os trapos do que esta noite fui e queimo-os, dispo os retalhos do meu corpo cansado e atiro-os ao mar....

read more

Adolescência

ADOLESCÊNCIA   Hoje tenho certeza que Thomas G. Marasco deveria ter adivinhado Fernanda desde o começo daquele verão. Ela desceu desfilando por aquela escadaria de mármore e as sombras dos pilares varavam o seu corpo refletido nas nuvens projetadas por todas as...

read more

O Futuro

OFUTURO   O que é isso no rosto, Fernanda, você se machucou? Zangada, ela não respondeu a Thomas. Deu as costas para os dois e continuou brincando com a maquiagem, olhando para o futuro, feliz. Sobre uma mesa de madeira antiga estava o livro “A Ponte Prateada”,...

read more

Todo o Vômito …

TODO O VÔMITO DO MUNDO   Em uma daquelas noites quentes e enluaradas do verão de 1991, eu e Alex, depois de muita conversa e muito uísque, vomitamos na imensa banheira que tinha em minha casa, imensa o suficiente para receber todo o vômito do mundo. A noite...

read more

Massa Decomposta, …

Depois de tantas partidas e chegadas, parece que o tempo parou por um século em nossos corpos e fez com que envelhecêssemos milhares de anos. Os últimos instantes da madrugada já se escoam pela ampulheta cansada desta noite mágica, mas de repente é como se o escuro...

read more

Roberta Ferrari

ROBERTA FERRARI Meu nome é Roberta Ferrari, sou graduada em Jornalismo e Ciências Sociais e num passado não muito remoto andei obcecada por tudo que dissesse respeito à sociologia da arte. Hoje ainda me interessa, embora com menor intensidade, qualquer debate sobre a...

read more

Passenger

PASSENGER Meu nome é Frederico Bergamasco, sou jornalista. Tendo a Wired como revista de cabeceira acabei optando muito cedo por uma vida profissional na Web. O projeto inicial era uma revista online sobre comportamento. Em uma estranha festa na casa de minha amiga...

read more

Paula Davis

Paula Davis Meu nome é Paula Davis. Não, o sobrenome não tem nada a ver com a Copa Davis de Tênis e nem com o jazz maravilhoso de Miles Davis. Meus pais nasceram na Letônia e me disseram que a origem do sobrenome é bíblica, vem do nome hebráico "David", que pode ser...

read more

Alex Nabuco

Alexandre Nabuco Meu nome? Alexandre Nabuco. Meus amigos me chamam Alex. Sou formado em Engenharia Mecânica, mas me viro como jornalista, com uma passagem pelo teatro. Da universidade saí direto para o teatro. Comecei como autor e diretor de uma peça chamada "Os...

read more

Joana F. Marasco

JOANA F. MARASCO Meu nome é Joana F. Marasco. O sobrenome é o de um casamento que acabou. Formei-me em Direito, mas desisti da profissão depois de três anos desperdiçados em um inútil escritório especializado em Direitos Autorais. Seus donos viviam de extorquir...

read more

Thomas G. Marasco

Thomas G. Marasco Diversos cursos incompletos, todos feitos sem convicção alguma, geralmente motivados por alguma curiosidade passageira, um projeto ou uma mulher: Jornalismo, Comunicação, Ciências Sociais, Filosofia e Engenharia Eletrônica. Sempre houve em mim o...

read more

Marcela Lanson

MARCELA LANSON   Meu namorado Thomas estava escrevendo um livro de ficção online e prometeu que eu faria parte dele. Um dia ele cumpriu o prometido: passei a fazer parte da história e comecei a interagir com os leitores. Na época em que isso aconteceu ele me...

read more

Fernanda Damiani

FERNANDA DAMIANI Nome de batismo: Fernanda Damiani. Mulher enclausurada em um estúdio fotográfico em Paris: Eu. Olhos: verdes como o sonho. Cabelos: negros como a noite mais profunda. Apesar de eu gostar do bordão “bonita, fiel, carinhosa e puta”, algo me diz que não...

read more